Estudo de Célula

Estudo 2 Campanha NADA ALÉM DO SANGUE

Orientação para os lideres:
– Fazer uns 10 minutos de oração e louvor, antes da palavra;
– Se tiver algum visitante, dar boas-vindas;
-Procurar ministrar a palavra de 30 minutos;
-Deixar um período de uns 10 minutos no final da palavra para perguntas ou comentários;
– Fazer um lanche no final ou um período de comunhão….

Terceira semana de campanha – O Sangue de Jesus
=====================================================================
CAMPANHA: Nada além do sangue
3ª PALAVRA: O Sangue de Jesus
PERÍODO: terceira semana de janeiro
MUSICA SUGERIDA: Nada Além do sangue- Fernandinho
Referência: Hebreus 9:11-22

A palavra “sangue” aparece oito vezes neste texto. O sangue de Jesus é algo que precisa ser entendido, não do ponto de vista místico ou de uma teologia líquida, mas o que ele significa espiritualmente. Isso precisamos entender.

O sangue é um dos temas mais significativos da Bíblia. Logo no Jardim do Éden encontramos a pessoa de Deus sacrificando um animal inocente, derramando o seu sangue para resolver a questão do pecado do primeiro casal.

Para perdoar pecados, sangue foi derramado (Gn 3:21). Abel ofereceu a Deus um sacrifício agradável, trouxe das primícias do seu rebanho e da sua gordura (Gn 4:4). Veja que novamente sangue foi derramado.

Depois encontramos Noé imolando animais e pássaros em sacrifício a Deus (Gn 8:20). Abraão recebeu ordens para sacrificar Isaque no Monte Moriá em sacrifício a Deus. Ali Deus substituiu o filho de Abraão por um Cordeiro perfeito, que era um tipo de Cristo.
Mais tarde, Moisés, na saída do Egito, com mais de três milhões de pessoas, orienta todos a matarem cordeiros sem defeito na madrugada que antecedia a
saída do povo da escravidão, inaugurando, assim, a festa da Páscoa. Naquela noite, quando da morte dos primogênitos, o sangue deveria ser colocado nos umbrais das portas, servindo, assim, de proteção e o sangue ali era um símbolo da vida. O sangue cobriu, protegeu e fez propiciação pelo povo.
Em Israel, milhares de holocaustos eram feitos nas festas solenes, na Páscoa, no Dia da Expiação (perdão). Enfim, em
todas as ocasiões especiais, grande quantidade de sangue era derramado.

O cordeiro sempre morria no lugar de quem havia cometido delitos e pecados. Tudo aquilo era apenas figuras do grande e real sacrifício que Jesus faria na cruz do Calvário, séculos mais tarde.

1 – O SANGUE ESTÁ RELACIONADO À LEI (Hb 9:15-20)

Vou apresentar dois significados aqui.

Em primeiro lugar, o sangue de Jesus sancionou a nova aliança. Antes que Moisés entregasse a Lei ao povo, matou cordeiros e aspergiu o sangue sobre o povo (v. 19). Com o sangue de Jesus a mesma coisa aconteceu. Antes que tivéssemos acesso à Nova Aliança, sangue foi derramado (v. 16 e 17). O testamento não pode ser aberto a não ser com a morte do testador. Não podíamos nos apropriar de nada enquanto o testador estivesse vivo. Jesus morreu e hoje a herança é nossa. Temos acesso e direito a todos os tesouros da graça – aos depósitos espirituais – podemos tomar posse de tudo. Riqueza maravilhosa!

2 – O SANGUE DE CRISTO POSSIBILITA A REMISSÃO DE PECADOS EM RELAÇÃO A LEI (Hb 9:22).

A lei pedia sangue, pedia um substituto para o pecador. Nossa salvação hoje está inteiramente baseada no sangue de Jesus que morreu, como cordeiro sem defeito, numa morte substitutiva. Quem estava sujeito a escravidão do diabo por causa dos seus pecados, recebeu libertação em Cristo Jesus, através da Sua morte, destruiu toda força maligna que opera contra os homens. Pela fé todo homem pode se libertar (Hb 2:14-15). Hoje você pode se libertar (Tt 2:14).

O texto diz que o sangue identifica o homem com Jesus, para quê? Para livrá-lo da morte e de Satanás… amém? A identificação de Jesus conosco é na carne e no sangue. É vitória total! Sangue é sinônimo de plena salvação.
Em Romanos 6:23 está escrito: “O salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor”. Por causa do pecado, todos recebemos salário do diabo: a morte. Mas por causa de Cristo todos podemos alcançar a redenção e o livramento. Mas Deus tinha de criar um plano, pois Sua Palavra era: “A alma que pecar, essa morrerá”. O que Deus fez? Deus podia eleger um homem para ser punido pelo outro? Não! Se um homem morresse por pecados, só poderia morrer pelos seus próprios pecados.

Outra coisa: a estrada da morte não pode ser palmilhada por Deus. Deus não morre. Então Deus se fez homem e como homem podia morrer por mim e por você. Deus podia realizar um sacrifício santo e perfeito, absorvendo cosmicamente os pecados de todos os homens da história.

Hoje, por causa do sangue, estamos justificados (Rm 5:9). Até o diabo sabe que somos justos ou justificados.

3 – O SANGUE TEM TAMBÉM RELAÇÃO COM O NOSSO COMPORTAMENTO

O sangue nos santifica (Hb 10:14). Deus atribui santificação a você. Seu coração, de fato, é lavado pelo sangue. Deus remove sua transgressão. Aos olhos de Deus o pecador é redimido.

– Não é o nosso legalismo que nos salva, é o sangue
– Não é o meu padrão moral, mas o sangue
– Não é a minha religiosidade, mas o sangue de Jesus

A linguagem de Pedro é tremenda e maravilhosa. Ele diz que fomos resgatados no nosso fútil procedimento (I Pe 1:18-19). O sangue produziu harmonia em como Deus me vê e em como eu realmente devo ser.

Outro benefício é que temos acesso às coisas eternas pelo sangue. Temos acesso agora no presente. Jesus é o Sumo-sacerdote dos bens eternos, mas os bens eternos já estão realizados em nosso favor por causa do sangue. Já temos acesso ao perdão, à salvação eterna, aos dons espirituais, aos poderes do mundo vindouro, e outras riquezas. O sangue de
Jesus nos abriu a janela do céu e a porta do céu para os santos. Agora temos acesso aos tesouros da graça.

CONCLUSÃO:
Nossos pecados estão perdoados e isso não é ficção, é realidade! Igrejas que ensinam o peso do pecado, mas não o perdão mediante o sangue de Jesus, são legalistas e doentias.
Religião sem o sangue de Jesus é a coisa mais patológica deste mundo. Religião sem perdão é sinônimo de enfermidade, é aberração teológica, é instituição humana que reúne homens e mulheres para atos religiosos sem poder e sem esperança. Leia Hebreus 10:2,3,17. A lembrança dos pecados é a exigência da lei, mas não é assim com o sangue de Jesus que opera na Nova Aliança. Quando ouvir falar do sangue de Jesus não se lembre dos seus pecados, pense na nova aliança. Lembre-se de que você agora é uma nova criatura, comprado para sempre. Você agora é livre!
Ap. Sinomar F. Silveira, adaptado por Jeames
Observação: não esqueça de desafia-los a estarem presentes na próxima semana da campanha e desafia-los a convidar pessoas para participarem…

Nenhuma tag