Estudo de Célula

MUDANDO NOSSA LINGUAGEM

Atos 2:4-6 – Tiago 3:10-12

É interessante notar que na 1º experiência de enchimento do Espírito na igreja primitiva, o sinal que se manifestou foi uma nova linguagem.
Quando o Senhor nos limpa, nos cura, muda nossos conceitos velhos, Ele coloca no lugar algo novo, Ele enche esse espaço com algo Seu, com Seu Espírito. Ser cheio do Espírito é passar a falar a linguagem do Espírito, falar de acordo com as promessas da Palavra de Deus, ter uma linguagem sarada, curada.
Jesus tinha uma linguagem que atingia todas as pessoas, mas seus discípulos não falavam a mesma linguagem que ele até o dia de Pentecostes.
Muitos cristãos “saíram do Egito”, mas falam a linguagem de lá, não tiveram uma linguagem restaurada, que todos possam compreender na sua própria língua, revelamos um coração que possui ainda conceitos mundanos, uma mente gerada por princípios naturais ou carnais.
A conseqüência disso é que esses cristãos vivem numa verdadeira “Babel” (Torre de Babel = confusão de língua) – ninguém se entende, os relacionamentos são destruídos.
Falar nossa própria língua somente gera confusão! O entendimento, o acerto de situações, a concordância só acontece quando aprendemos a falar a linguagem do Espírito.
A rebeldia gera discórdia. A obediência gera concordância (seja na igreja, nos lares, nos projetos).
A murmuração é uma discórdia contra Deus, é a linguagem de Satanás, a linguagem “do Egito”. Devemos andar em concordância com nossos maridos/esposas, filhos/pais, líderes para não dar brechas para o inimigo agir.
Mateus 13:34-37 – O problema do murmurador é o princípio que o governa, ele fala daquilo que está cheio o seu coração. Mesmo na benção, ele reclama o tempo todo. A murmuração amarra nossa vida e não prosperamos; pessoas murmuradoras terão problemas o tempo todo. Ela pode impedir o cumprimento das promessas de Deus em nossas vidas.
Números 14:35-38 – povo que recebeu a visão negativa dos dez espias medrosos, murmurou e foi condenado a andar pelo deserto até que todos morressem ali – não tomaram posse da promessa.
Isaías 6:5-7 – Deus somente se dirige a Isaías, e aceita sua consagração depois que o anjo toca seus lábios com as brasas do altar até então, os Serafins proclamavam uma verdade, mas ele ainda não falava de acordo com elas (comparar com Atos 2:3 – línguas de fogo vieram sobre os discípulos e sua linguagem foi mudada).
A marca de quem fala a linguagem do Espírito é FÉ – Ele crê que Deus pode fazer o que Ele disse que faria, independentemente das circunstâncias. Deus quer nos usar, mas precisamos liberar palavras alinhadas com suas promessas, uma linguagem curada.
Mente transformada – linguagem transformada – este é o verdadeiro Pentecostes, a linguagem de Deus viva em nossa boca.
GANCHO: Qual tem sido sua linguagem? Murmuração (discórdia) ou adoração (concordância)? Jesus pode lhe conceder uma nova forma de pensar, e uma linguagem nova: a de um guerreiro, valente conquistador, vencedor. Entregue sua vida a ele então!
ORAÇÃO: Ore para que a convicção e arrependimento por uma linguagem contaminada venham aos corações e o Espírito Santo venha curá-la e transformá-la numa linguagem alinhada com os
princípios da Palavra a partir de hoje.

Nenhuma tag